01/2024

Enfrentamento das crises do petróleo: um exemplo para a transição 

Publicado por: emais
Categoria: E+ na mídia
A forma como o Brasil enfrentou as crises do petróleo nos anos 1970, com a construção de hidrelétricas e o desenvolvimento do programa de etanol combustível, mostram que o país tem totais condições de se tornar líder mundial no enfrentamento da questão climática e se neoindustrializar de forma verde. A avaliação é da nossa diretora-executiva, Rosana Santos, entrevista ao videocast O que nos resta?, da TV Gazeta, com Luciano Pacheco.  “Nos anos 1970, tivemos as crises do petróleo. O resto do mundo saiu procurando petróleo e encontrou. A gente procurou e não encontrou logo de cara. Daí a gente foi fazer hidrelétricas e álcool. Um país que é capaz de lidar com uma crise do tamanho da crise do petróleo saindo dela com duas coisas completamente fora da casinha (...), um país que é capaz de fazer isso! Como é que a gente não é capaz de virar líder mundial da questão climática e se neoindustrializar de forma verde?”, questionou. Na sua avaliação, hoje a tecnologia não será uma barreira. “O Brasil tem uma capacidade tecnológica gigantesca. Temos diversas soluções que já foram implementadas pelo menos em escala-piloto que o mundo inteiro gostaria de ter e temos que aproveitar isso!”, disse. Na conversa, Rosana também tratou dos resultados da COP-28, do potencial do país em termos de biometano e fontes renováveis, e transição energética justa, entre outros temas. Confira a entrevista na íntegra.<iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/PX9hgcukD8g?si=NqhP_zsQY3hTHJ6Q" title="YouTube video player" frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; clipboard-write; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture; web-share" allowfullscreen></iframe> 
CONTEÚDOS RELACIONADOS
Instituto E+ ingressa no Observatório do Clima Ver conteúdo
COP-28: Resultado da conferência foi reconhecer limite de 1,5ºC, diz Marina Ver conteúdo